Aprendizado Espírita
Textos e ferramentas para aprender e divulgar o Espiritismo
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


No livro O Sentido da Vida, Herculano Pires, após analisar a doutrina sob o seu tríplice aspecto, elaborou uma Súmula Espírita, listando os pontos principais do Espiritismo.
 
   - Espiritismo é doutrina
   -  O triângulo de Emmanuel
   -  Os dogmas do Espiritismo


Abaixo transcrevemos esses tópicos, e agradecemos à direção da Editora Paideia [http://www.editorapaideia.com.br/] de São Paulo, que autorizou essa divulgação.

Súmula Espírita

Allan Kardec escreveu uma monografia que todos os espíritas deviam ler e reler, mesmo aqueles que se dizem “espíritas de 30 anos” e os que “nasceram espíritas”: trata-se da obra O que é o Espiritismo, título do qual o padre Negromonte, quase um século mais tarde, resolveu se apropriar, para uma obra de combate ao Espiritismo. Essa monografia de Kardec arma os espíritas de poderosos argumentos contra os adversários da doutrina, e muito mais do que isso, dá aos espíritas uma visão geral do Espiritismo, incluindo um resumo de O Livro dos Espíritos e outro de O Livro dos Médiuns.

Nesta época de propagação intensiva do Espiritismo, quando tantas deturpações e interpretações pessoais ameaçam a estrutura da doutrina, o ideal seria que todos os espíritas procurassem se abeberar, de quando em quando, no citado livrinho, mergulhando na leitura e meditação dos seus ensinamentos, antes de forjar por conta própria as soluções mais fáceis que a imaginação costuma dar a todos os problemas humanos.


Espiritismo é Doutrina

Muitas pessoas, atraídas ao Espiritismo pela força dos fatos, mas pouco afeitas à leitura e ao estudo, costumam praticá-lo através dos anos como quem pratica um ofício qualquer, aprendido na prática, numa pequena oficina de arrabalde. E assim fazendo, ignoram a estrutura doutrinária, forjam para si mesmas uma interpretação do Espiritismo e procuram propagá-la como se fosse a suprema verdade.

Conheço um ilustre advogado que assim procede e que por isso mesmo se tornou vítima de terríveis mistificações. Vive atormentado por inúmeros problemas que na realidade não existem e costuma dizer que o Espiritismo é verdadeiro emaranhado, em que a mente humana se perderá, se quiser esquadrinhá-lo. Respondi-lhe, certo dia, que o Espiritismo é um copo d’água, transparente e cristalino, sem qualquer espécie de complicação ou de obscuridade, e ele me contradisse com ardor, perdendo-se nos meandros da própria imaginação. Como vimos, porém, nas páginas anteriores, o Espiritismo é doutrina perfeitamente firmada, de estrutura definida, de princípios estabelecidos, e basta ordenarmos os nossos conhecimentos a seu respeito, para dele termos uma visão clara e perfeita.

Como doutrina, o Espiritismo envolve três aspectos fundamentais: é ciência, filosofia e religião. Muitas pessoas dizem que bastaria isso para tudo confundir na sua mente. Não entendem a possibilidade de conciliação entre esses ramos diversos e aparentemente contraditórios ou antagônicos do conhecimento humano. Se quisessem, porém, ler e meditar com atenção, em breve compreenderiam que justamente essa fusão dos diferentes aspectos do conhecimento é o que dá ao Espiritismo a inteireza mais completa e a mais absoluta coerência. Ele não divide nem subdivide a vida, o mundo, o pensamento, o conhecimento. Reúne, engloba todas as coisas numa concepção única, demonstrando a unidade fundamental de tudo quanto existe.


O Triângulo de Emmanuel

Não vimos ainda mais bela e perfeita definição do Espiritismo do que a feita por Emmanuel, na introdução do livro O Consolador, recebido psicograficamente por Chico Xavier. Diz ele, na referida obra:

“Podemos tomar o Espiritismo como um triângulo de forças espirituais. A ciência e a filosofia vinculam à terra essa figura simbólica, porém a religião é o ângulo divino, que a liga ao céu.”

Já vimos que a definição de Kardec concorda plenamente com esta. Diz Kardec que o Espiritismo é ciência e filosofia, de consequências morais. Como ciência, ele se ocupa da origem e destino dos espíritos, e das suas relações com o nosso mundo. Como filosofia, interpreta as consequências morais, decorrentes da observação científica dos fatos espíritas. Como religião, ele resume as últimas consequências do estudo científico e das conclusões filosóficas, para indicar ao homem o rumo seguro da sua evolução espiritual, em direção à perfeição e, consequentemente, a Deus.

Negando que o Espiritismo seja religião, alguns espíritas se apegam às próprias declarações de Kardec, peremptoriamente formuladas no mesmo livrinho acima citado, de que a doutrina é científica e filosófica, e não religiosa. Devemos compreender, porém, que Kardec defendia o princípio de que o Espiritismo devia auxiliar as religiões na luta contra o materialismo. Não se destinava a fundar na terra uma nova igreja, mas fortalecer as igrejas existentes, do ponto de vista espiritual, ajudando-as a colimar os seus fins, a começar pela própria reforma dos seus princípios. É evidente que ao tratar das consequências morais da doutrina, ao estudar a sua influência na vida do homem, ao escrever O Evangelho e as preces, que se seguem ao mesmo, Kardec não fez apenas uma afirmação por meio de palavras, mas demonstrou, de maneira concreta, através de atos inequívocos, a sua certeza de que o Espiritismo, não sendo embora uma religião organizada, segundo o sistema clássico, era religião na mais pura, elevada e perfeita acepção do termo.

Aliás, no próprio livro O que é o Espiritismo, no terceiro diálogo, encontramos esta passagem definidora:

“O Espiritismo era apenas uma doutrina filosófica. Foi a igreja que lhe avultou as proporções, apresentando-o como inimigo terrível. Foi ela, enfim, quem o proclamou como nova religião. Esse foi um golpe inábil; a paixão não permite o raciocínio.”

Não vemos, ademais, como se poderá negar a uma doutrina que trata da imortalidade da alma, da existência de Deus, do culto que o homem lhe deve, do destino do espírito após a morte, a natureza profundamente religiosa que esses atributos lhe dão. As divergências de opinião se originam, nesse terreno, de uma simples incompreensão. O Espiritismo não é uma religião no sentido clássico, dotada de um corpo sacerdotal e de um sistema litúrgico especial. Mas é simplesmente religião, contendo os princípios essenciais de que se serviram as religiões para criar o seu aparato exterior e fundar as igrejas.

No Brasil, aliás, tudo indica que o Espiritismo está caminhando no sentido da formação de uma verdadeira igreja espírita, com hierarquia e culto, à maneira do que já fizeram, nos Estados Unidos, algumas centenas de espíritas de origem protestante. Só nos resta, diante dos fatos que se precipitam, fazer o possível para manter a integridade da doutrina, o seu espírito de liberdade, através dos sistemas amplos, de deliberação coletiva, o princípio do voto individual e direto para a escolha dos organismos dirigentes.


Os Dogmas do Espiritismo

Positivada, assim, a natureza tríplice do Espiritismo, como ciência, filosofia e religião, devemos apreciar os princípios fundamentais da doutrina, que se resumem nos seguintes dogmas:

a) Deus é a inteligência suprema do Universo, causa primária de todas as coisas;

b) O homem, criado por Deus, deve amá-lo sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo;

c) Tríplice é a natureza do homem, que se constitui de espírito, perispírito e corpo material;

d) O espírito preexiste e sobrevive ao corpo, que lhe serve apenas para a realização de experiências de natureza evolutiva, no mundo material;

e) O perispírito é um corpo espiritual, duplo do corpo físico, e meio de ligação entre o espírito e o corpo;

f) A morte é o processo de desencarnação do espírito, ou seja, do seu desprendimento do corpo material, tornado imprestável pela doença, pela velhice ou por um acidente;

g) As encarnações do espírito são sucessivas e progressivas, provindo dos reinos inferiores da natureza e prosseguindo através da evolução moral e espiritual do ser, até os mais elevados estágios da perfeição;

h) A lei da reencarnação implica o efeito das consequências ou causas da vida anterior, na seguinte, de maneira que o homem é hoje o resultado do que foi no passado, e assim por diante;

i) Tríplice é também a natureza do Universo, que se constitui de:

      - Deus – causa primária,
      - Espírito – princípio inteligente, e
      - Matéria – elemento passivo;


j) O elemento espiritual preexiste e sobrevive ao material, é a sua causa imediata e o seu imediato fim, e tudo o que existe no mundo material provém do mundo espiritual e a ele retorna, no incessante processo da evolução de todas as coisas;

k) Os espíritos povoam o elemento espiritual, que circunda e interpenetra o material, vivendo, portanto, ao nosso redor, de maneira invisível para o sentido visual comum, mas perceptível pelo aprimoramento das qualidades próprias de que o homem é dotado, e participam da vida humana, influenciando-a para o mal ou para o bem;

l) O mundo espiritual apresenta uma gradação infinita de seres, consequência natural da lei de evolução, que vai desde o espírito que ainda se prende à matéria e se julga encarnado, até os mais elevados seres, dos quais Jesus, o Cristo, é o supremo exemplo de que o homem tem notícia;

m) Os espíritos não só influenciam os homens, como podem comunicar-se com eles, através das várias modalidades de mediunidade: a intuitiva, a de incorporação, a de efeitos físicos, a de materialização, a de voz-direta, a audiente, a vidente, e diversas outras;

n) Os homens exercem influência sobre os espíritos que vivem nas proximidades da terra, podendo atraí-los consciente ou inconscientemente e orientá-los, esclarecê-los, doutriná-los durante as sessões práticas de Espiritismo;

o) A prece e a concentração mental com objetivos elevados são meios de vibração que o homem dispõe para atrair ou afastar as influências espirituais e orientar o seu próprio pensamento;

p) Cada homem está sob a influência benéfica de um espírito protetor, ou guia espiritual, que é o anjo guardião das religiões, e sob o amparo dos espíritos familiares e amigos, que procuram auxiliá-lo, assim como sob a influência malfazeja de espíritos inferiores e de adversários e inimigos da presente ou de passadas existências;

q) Pela sua conduta e sua firmeza no bem, o homem se liberta das más influências e ajuda os seus inimigos a se melhorarem;

r) As relações entre os espíritos e os homens se baseiam nas leis de vibração mental e emocional, sendo inútil e prejudicial o uso de símbolos, gestos, vestimentas próprias, queima de ingredientes como incenso e arruda e outros aparatos exteriores, para a prática de sessões e de outros meios de afastamento dos maus espíritos;

s) O amor de Deus é extensivo a todas as criaturas, sem qualquer distinção, não havendo razão de ser para a existência de sacramentos como o batismo, o casamento religioso, a extrema-unção e outros;

t) A lei de causa e efeito preside a todos os processos da vida, tanto no terreno material quanto no moral e espiritual, e a salvação dos homens está nas suas próprias mãos;

u) A caridade é a lei principal da evolução do espírito e se traduz, não na simples distribuição de esmolas, mas no amor do homem pelo seu semelhante e por tudo quanto existe, pelo que o Espiritismo adota como lema a seguinte frase: Fora da caridade não há salvação;

v) O Universo é infinitamente habitado, e os mundos que rolam no espaço carregam humanidades que não conhecemos, mas que se ligam a nós pela lei da solidariedade universal;

w) Todo o Universo conhecido é um processo único de evolução, que o homem tem a possibilidade de integrar de maneira consciente, desde que se decida a acelerar a própria evolução.


A palavra dogma suscita desconfiança no meio espírita, em virtude da campanha provocada pelos dogmas da Igreja. Devemos lembrar que a ciência também se baseia em dogmas, pontos firmados da sua doutrina de interpretação do mundo fenomênico. Dogma é todo princípio fundamental de um sistema filosófico, científico ou religioso. A diferença entre os dogmas da Igreja e os do Espiritismo se funda na própria natureza de uns e de outros. Os dogmas da Igreja são fundados em suposições e impostos autoritariamente à razão. Os dogmas do Espiritismo são, como os da ciência, fundados na observação e na experiência, e oferecidos à razão como as conclusões lógicas a que se pode chegar, para a interpretação dos fatos. Como disse Kardec, os dogmas ou princípios do Espiritismo não são rígidos, podendo ser alterados pela demonstração evidente de princípios contrários. Até hoje, porém, os dogmas fundamentais da doutrina, de que demos acima uma interpretação, não sofreram nenhuma contestação científica positiva, mas apenas contradições filosóficas. Ora, como contra fatos não há argumentos e os fatos continuam a sustentar esses princípios, eles prevalecem.

Poderiam dizer-nos que, se os dogmas são susceptíveis de revisão, a doutrina não está firmada. Responderíamos que o Espiritismo não pretende transformar-se num sistema ossificado, sem plasticidade, e por isso mesmo incapaz de interpretar a infinita fluidez e plasticidade da vida. Assim como não se pode interpretar, mas apenas figurar, de maneira precária, o movimento, no quadro fixo, também não se pode interpretar a vida e o mundo numa doutrina estratificada.

Diriam, talvez, os adversários que o Espiritismo é precário, uma vez que a negação científica de um dos seus dogmas fundamentais, como a da independência do espírito, poria abaixo toda a estrutura doutrinária. Não tenhamos dúvidas a respeito. De fato, se nos provarem, cientificamente, que o espírito não passa de efeito e não causa, o Espiritismo estará falido e o abandonaremos imediatamente. Até lá, porém, continuaremos com ele. Mesmo porque, como já demonstramos nas páginas anteriores, consideramos ocorrido justamente o contrário, ou seja, o Espiritismo já demonstrou experimentalmente a independência do espírito, e com isso derrogou um dos dogmas fundamentais da ciência materialista, que subsiste apenas, graças à capacidade de teimosia do espírito humano.
 
ALGuimaraes
Enviado por ALGuimaraes em 16/12/2015
Alterado em 15/01/2016


Comentários

Os Curadores do Senhor R$20,00
Abigail [Mediunidade e redenção] R$20,00
Menino-Serelepe R$20,00